Testes POC na analítica do futuro: a revolução da medicina diagnóstica

Point of care testing

Testes POC na analítica do futuro: a revolução da medicina diagnóstica

O ano de 2020 trouxe juntamente com os desafios e dificuldades inerentes à pandemia da COVID-19, avanço notável no setor da biotecnologia. O desenvolvimento e o aprimoramento de testes rápidos (testes POC) já disponíveis, representam uma revolução na medicina diagnóstica. Com o objetivo de fornecer diagnóstico precoce e ter papel decisivo no tratamento adequado e consequentemente, na qualidade de vida do paciente, os testes rápidos impactam a saúde pública e a economia. Por isso, o crescimento do investimento em tecnologia e inovação e a expansão do mercado de testes POC em nível global são tendência no setor laboratorial em 2021. Importante salientar, que o crescimento impulsionado pela COVID-19 também está trazendo benefícios para o desenvolvimento de testes POC para detecção de diferentes patologias. Mas antes de falar das tendências para 2021, o que são testes POC?

O que são testes POC?

Point of Care Testing (POCT), testes POC ou testes rápidos são definidos, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), Resolução RDC 36/2015, como testagem conduzida próximo ao local de cuidado ao paciente, inclusive em consultórios e locais fora da área técnica de um laboratório, por profissionais de saúde ou por pessoal capacitado pelo Ministério da Saúde e ou Secretarias de Saúde Estaduais e Municipais. Isso contrasta com o padrão histórico em que exames eram realizados em laboratórios de análises clínicas, onde o tempo de espera pelo resultado é bem maior. Tais características implicam no retardo do início do tratamento e consequentemente no prognóstico da doença e na qualidade de vida do paciente. Já os testes POC são exames rápidos, com alta sensibilidade, de baixo custo e fáceis de manipular em ambientes não laboratoriais e com recursos limitados. Dessa maneira, permitem a liberação dos resultados em tempo real. Portanto, os testes POC oferecem a possibilidade de diagnóstico precoce, causando a diminuição da mortalidade associada a inúmeras doenças e impactando a saúde pública.

Testes POC para a detecção de diferentes analitos já foram desenvolvidos, entre eles: testes para glicose, gasometria e análise de eletrólitos, teste rápido de coagulação, de marcadores cardíacos, rastreamento de drogas de abuso, teste de urina, teste de gravidez, análise de sangue oculto nas fezes, rastreamento de patógenos, triagem de colesterol e teste de doenças infecciosas como o HIV e a COVID-191. Muitos desses testes foram desenvolvidos e são comercializados pela Celer Biotecnologia. Além disso, com o crescimento da demanda no campo da medicina veterinária, a Celer oferece ainda testes POC para detecção de inúmeros parâmetros bioquímicos nos pets.

Qual a tecnologia por trás dos testes POC?

Os testes POC utilizam diferentes princípios analíticos, entre eles, o de reflectância, fluxo lateral (LFA), eletroquímico e impedância elétrica. Imunoensaios de fluxo lateral são os testes POC mais comercializados. Nesses testes, anticorpos são empregados como biosensores e são imobilizados em um tipo de papel (tira de teste) onde a amostra do paciente é adicionada. Mais uma vantagem desses testes rápidos é que são necessárias pequenas quantidades de fluído dos pacientes, seja ele, urina, soro, plasma ou sangue total. A amostra líquida se move nessa plataforma impulsionada por forças de capilaridade. O resultado é liberado entre 5 e 15 minutos, dependendo do parâmetro analisado. Os métodos de detecção utilizados são colorimetria, fluorescência e quimioluminescência2,3. Na Celer Biotecnologia comercializamos os testes POC para detecção do vírus SAR-CoV-2 e para análise de marcadores inflamatórios, renais e diabetes.

O recente progresso das tecnologias de métodos microfluídicos, biosensores, nanotecnologia, polímeros e smartphones levou ao desenvolvimento de dispositivos diagnósticos POC do tipo LFA com maior precisão.

Seis tendências dos testes POC para 2021

E quais são as tendências dos testes POC em 2021? Apesar de já fazer parte do cotidiano do setor de análises clínica há bastante tempo, essa tecnologia ganhou novos significados com a pandemia causada pela COVID-19. Em abril de 2020, a busca pela expressão “teste rápido” cresceu 400%, segundo o Google Trends.

Também no ano passado, segundo levantamento divulgado pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias, foram realizadas mais de 1,5 milhão de testagens rápidas que identificam a presença dos anticorpos IgM e IgG.

Responsável pelo desenvolvimento e comercialização de equipamentos e soluções para o setor de medicina diagnóstica, a Celer Biotecnologia levantou seis motivos pelos quais essa tecnologia irá continuar em evidência no ano de 2021.

1) Controle da pandemia

As vacinas desenvolvidas até agora prometem proteção total contra mortes e casos graves, mas a erradicação da doença ainda está longe de acontecer. Portanto, é preciso dar continuidade às testagens e às notificações, principalmente com a retomada das aulas e dos trabalhos presenciais.

Segundo especialistas, a pandemia só será controlada quando parte satisfatória da população mundial estiver imunizada. Enquanto esta não for a realidade, as testagens ainda farão parte de protocolos de segurança para viagens de avião e grandes eventos, como as Olimpíadas de Tóquio, previstas para este ano.

2) Aliado na luta contra a diabetes

Entre as pessoas com comorbidades, os pacientes com diabetes estão entre os mais impactados pela pandemia. Segundo uma pesquisa publicada em 2020 pela Federação Internacional de Diabetes (IDF), 59,5% dos diabéticos brasileiros entrevistados reduziram as atividades físicas,  59,4% observaram variação na glicemia e 38,4% adiaram ou cancelaram consultas médicas. Já um estudo publicado em 2020 no periódico britânico “Diabetes, Obesity and Metabolism” mostra outro cenário importante: o surgimento de novos casos de diabetes em pacientes recuperados de COVID-19.

Dessa maneira, os testes POC ganham ainda mais importância na luta contra a diabetes, facilitando a vida de pacientes e tutores que podem realizar o controle da glicemia com autonomia e segurança. A Celer Biotecnologia comercializa o Finecare HbA1c Teste Rápido Quantitativo, que serve para avaliar os níveis médios de glicose no sangue ao longo dos meses anteriores à sua medição, auxiliando no diagnóstico e monitoramento da diabetes.

3) Fortalecimento do mercado veterinário

Em franca expansão, a indústria PET – que inclui serviços de medicina veterinária, de bem-estar e de alimentação – teve, em 2019, faturamento de R$ 22,3 bilhões, de acordo com o levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet). O setor parece não ter se abalado com a crise econômica causada pela pandemia. Em 2020, o Brasil se consolidou como segundo maior mercado de produtos PET, além de registrar aumento no número de adoção de animais de estimação e, consequentemente, maior procura por consultas veterinárias e exames laboratoriais.

No setor de diagnóstico também houve movimentação. Em 2020, a Celer Biotecnologia se fortaleceu no mercado veterinário ao lançar duas linhas de produtos para pequenos animais com a tecnologia Point of Care. O Analisador Ótico de Coagulação e o Analisador de Bioquímica Seca. Os novos equipamentos tendem a modernizar o dia a dia de urgência e emergência de médicos e técnicos veterinários atuantes em hospitais, clínicas e laboratórios, além de profissionais independentes.

4) Busca pelo alto padrão de qualidade

A grande procura por testes rápidos durante a pandemia abriu muitas discussões na mídia e no mercado sobre a confiabilidade dos resultados obtidos. O modelo mais usual de diagnóstico clínico ainda é o laboratorial, realizado em centros especializados e hospitais onde os processos analíticos estão cada vez mais modernos e sofisticados. Por isso, os testes POC devem seguir um alto padrão de qualidade para garantir o rigor dos resultados. Importante salientar, que os testes rápidos estão sujeitos ao controle sanitário no pré e no pós-mercado, no que se refere a importação, fiscalização e tecnovigilância para a classificação de risco. Para serem registrados pela ANVISA, os produtos também passam pelos mesmos ensaios clínicos que outros métodos de diagnóstico in vitro para que a qualidade, segurança e eficácia sejam avaliadas.

5) Investimento em ciência e pesquisa

O desenvolvimento dos testes POC trouxe inovação para a área de medicina diagnóstica, impactando a saúde mundial ao agilizar o tratamento e a tomada de políticas públicas para a contenção da propagação de doenças infecciosas como no caso da COVID-19, dessa maneira, transformando a assistência à saúde. Portanto, o investimento em pesquisa científica na área de biotecnologia e inovação é uma tendência das empresas que desenvolvem soluções em medicina diagnóstica. Atenta às necessidades da população e do mercado brasileiro, a Celer Biotecnologia possui uma linha completa para diagnóstico de COVID-19. No final de 2020, lançou o kit de detecção por PCR em tempo real para SARS-CoV-2, aprovado pela ANVISA.

6) Descentralização da saúde

O desenvolvimento dos testes POC tem revolucionado a medicina diagnóstica e a assistência à saúde de diferentes maneiras. Uma das principais vantagens dos testes POC é a possibilidade de descentralização da saúde. Isso significa que o paciente, dependendo do caso, pode ter seu exame realizado diretamente no local de atendimento médico como postos de saúde, farmácias, consultórios médicos e até mesmo em ambulâncias por profissionais de saúde capacitados. É importante salientar, que não existem ainda, testes POC para todos os marcadores utilizados em análises clínicas. Portanto, o laboratório de análises clínicas continua sendo a referência em medicina laboratorial. A descentralização, dessa maneira, agiliza a liberação do resultado e consequentemente do diagnóstico e da prescrição do tratamento, se houver, pelo profissional da saúde, contribuindo para a melhora da qualidade de vida do paciente.

“A ampliação do nosso portfólio na área de biologia molecular será fundamental para o ano de 2021 não apenas para o enfrentamento da pandemia de COVID-19, mas também para o desenvolvimento de novos produtos voltados para diagnósticos diversos. Temos trabalhado com tecnologias de ponta, com um corpo técnico altamente qualificado e ao lado da academia e de centros de pesquisas para buscar soluções cada vez mais inovadoras. Assim, a manutenção da alta qualidade de nossos produtos e serviços, continua presente como diferencial da Celer, tanto no mercado POC humano quanto veterinário. Em 2021, o plano é aumentarmos a nossa atuação veterinária, com lançamento de novos produtos. Também iremos manter os nossos laços com universidades e centros de pesquisa, selando o nosso compromisso  com a ciência e o mercado de biotecnologia e saúde brasileiro”, destaca o CEO da Celer Biotecnologia, Denilson Laudares Rodrigues.

A Celer Biotecnologia oferece testes rápidos com a tecnologia POC para diagnósticos humano e veterinário. Conheça o nosso portfólio.

 

Fontes: ANVISA, Câmara Brasileira de diagnóstico laboratorial (CBDL), Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML).
  1. Syedmoradi L, Norton ML, Omidfar K. Point-of-care cancer diagnostic devices: From academic research to clinical translation. Talanta. 2021 Apr 1;225:122002. doi: 10.1016/j.talanta.2020.122002. Epub 2020 Dec 21. PMID: 33592810.
  2. Syedmoradi L, Daneshpour M, Alvandipour M, Gomez FA, Hajghassem H, Omidfar K. Point of care testing: The impact of nanotechnology. Biosens Bioelectron. 2017 Jan 15;87:373-387. doi: 10.1016/j.bios.2016.08.084. Epub 2016 Aug 26. PMID: 27589400.
  3. Wang C, Liu M, Wang Z, Li S, Deng Y, He N. Point-of-care diagnostics for infectious diseases: From methods to devices. Nano Today. 2021 Apr;37:101092. doi: 10.1016/j.nantod.2021.101092. Epub 2021 Feb 6. PMID: 33584847; PMCID: PMC7864790.
  4. Boobphahom S, Ly MN, Soum V, Pyun N, Kwon OS, Rodthongkum N, Shin K. Recent Advances in Microfluidic Paper-Based Analytical Devices toward High-Throughput Screening. Molecules. 2020 Jun 28;25(13):2970. doi: 10.3390/molecules25132970. PMID: 32605281; PMCID: PMC7412548.

 

Compartilhar este post

Deixe uma resposta