13 de janeiro de 2023

Prematuridade Eletiva: Diabetes Mellitus

O cuidado com a Prematuridade Eletiva em vista da Diabetes Mellitus Coluna Dr. Henri – ED. 29 No ano de 2022 a Celer teve a […]

Prematuridade Eletiva

O cuidado com a Prematuridade Eletiva em vista da Diabetes Mellitus

Coluna Dr. Henri – ED. 29

No ano de 2022 a Celer teve a iniciativa de convidar um parceiro, o Dr. Henri Korkes, Médico Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. O objetivo dessa parceria visa abordar semanalmente uma pauta relacionada a questões importantes sobre prematuridade.

A Prematuridade Eletiva é uma temática sensível e que precisa ser tratada com o devido cuidado e atenção. Em especial ao se tratar da Diabetes Mellitus e seus fatores de antecipação. Diante disso, estudar sobre o tema buscando soluções e disseminando conhecimento se tornou uma prioridade para a Celer que, incluiu em seu portfólio o Premaquick e o Amnioquick, testes que possibilitam a detecção de riscos para o parto prematuro.

Para ler conteúdos anteriores, acesse o nosso Instagram.

Leia abaixo o conteúdo dessa semana desenvolvido pelo Dr. Henri:

“Quando abordamos o tema prematuridade, não podemos nos esquecer dos quadros de prematuridade eletiva. Sendo essa, uma situação provocada por algum motivo materno ou fetal, que levará a equipe assistente a realizar o parto de forma antecipada. Embora, raramente o diabetes leve a quadros de prematuridade, em casos particulares, principalmente em pacientes que já possuem o diabetes antes de engravidar (diabetes prévio), torna-se necessário esta antecipação.”

Fatores de antecipação

De forma geral, leva-se em consideração três situações relacionadas a esta patologia, e que podem em algum momento antecipar uma gestação.

“A primeira delas é o controle glicêmico, em que a paciente com diabetes precisa estar o mais próximo possível de um bom controle (euglicemia), para evitar complicações fetais, que entre elas, pode incluir o óbito fetal. No que tange a  segunda e a terceira há uma relação com o feto. Assim, quando encontradas refletem um mau controle glicêmico no compartimento fetal, mesmo que o controle materno esteja aceitável. São elas: o descontrole do peso fetal, evidenciado pelo peso acima do máximo permitido, sendo esse, conhecido como percentil 90; ou uma quantidade excessiva de líquido amniótico, identificado como polihidrâmnio (índice de líquido amniótico, ILA > 25 cm ou maior bolsão de líquido > 8 cm).”

Tem-se assim, uma temática ampla e que abordaremos com maior detalhamento nos próximos textos. Fique por dentro da diabetes e suas complicações na prematuridade!

28 de janeiro de 2021

Efeitos da pandemia na saúde mental: hábitos saudáveis e exames frequentes podem ajudar

Os efeitos da pandemia na saúde mental impactaram bilhões de pessoas ao redor do mundo. O confinamento, a quarentena, os lockdowns e outras medidas de […]

30 de abril de 2020

Como o teste diagnóstico no ponto de atendimento transforma a assistência à saúde?

Diagnóstico preciso, gestão adequada de recursos humanos, redução do tempo de internação, uso efetivo de leitos, economia para o hospital e aperfeiçoamento dos diagnósticos clínicos […]

Testes