13 de janeiro de 2022

Além da COVID-19, há outras doenças respiratórias causadas por vírus chegando aos hospitais

Pacientes com sintomas gripais graves têm aumentado o movimento dos pronto-atendimentos de hospitais e postos de saúde neste início de 2022, em todo o país….

Pacientes com sintomas gripais graves têm aumentado o movimento dos pronto-atendimentos de hospitais e postos de saúde neste início de 2022, em todo o país. Embora a COVID-19 seja o risco mais popular há dois anos, a análise dos casos é fundamental para definir se o vírus SARS Cov-2 é realmente o causador da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), ou seja, quando a gripe comum se manifesta de forma mais grave e afeta a saúde dos pulmões.

Além do SARS Cov-2, há outros patógenos circulando no ar, como: Influenza A, Influenza B, Sincicial Respiratório, Adenovírus, Mycoplasma pneumoniae e Rinovírus Humano, que podem causar quadros similares. Por isso, a SRAG é uma doença que tem importância epidemiológica e deve ser notificada e investigada.

 

Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) 

A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) é uma síndrome respiratória de origem viral causada por vírus influenza e outros agentes como o vírus sincicial respiratório (VRS), parainfluenza e adenovírus, que afetam os alvéolos pulmonares e levam a uma inflamação e ao acúmulo de líquido nesse importante órgão do organismo humano.

 

Sintomas de SRAG

Geralmente, os casos de SRAG são identificados em pacientes que, durante dois ou mais dias, apresentam sintomas gripais clássicos como febre de início súbito, calafrios, dor de cabeça, tosse ou coriza (nariz escorrendo), dor de garganta, problemas do olfato ou paladar associados a um ou mais fatores como:

  • Dificuldade ou desconforto para respirar;
  • Sensação de peso ou pressão no peito;
  • Nível de oxigenação no sangue menor que 95% (saturação); 
  • Rosto ou lábios azuis ou arroxeados (cianose).

Em crianças, os sinais podem aparecer na forma de falta de ar, desidratação e perda de apetite.

 

Diagnóstico de SRAG

Quando a pessoa apresenta sintomas de SRAG é fundamental procurar atendimento médico imediato para que sejam realizados exames que podem apontar alterações do hemograma, como aumento ou redução da taxa de leucócitos bem como o aumento dos neutrófilos no sangue. É necessário também fazer a radiografia do tórax, para detectar alterações nos pulmões, o principal órgão afetado pela doença. 

O teste rápido ou o PCR, como é feito para COVID-19, também é indicado para saber o vírus causador, o que auxilia o tratamento.

Crianças, idosos e população de risco devem ser avaliados com maior cautela, já que a SRAG pode se manifestar de formas diferentes.

 

Solução de Diagnósticos

O Celer Kit de Detecção por PCR em Tempo Real para 6 Patógenos Respiratórios é um produto que garante orientação mais assertiva para o tratamento de SRAG, de acordo com o agente causador. Os patógenos investigados são Vírus Influenza A, Vírus Influenza B, Vírus Sincicial Respiratório, Adenovírus, Mycoplasma pneumoniae e Rinovírus Humano.

Saiba mais detalhes com a nossa equipe comercial: comercial@127.0.0.1.

 

Referências Bibliográficas:

BRASIL. Ministério da Saúde. Protocolo de Manejo Clínico de Síndrome Respiratória Aguda Grave – SRAV. Distrito Federal. 2010. Disponível em: http://www.fmt.am.gov.br/layout2011/dam/h1n1/documentos/Protocolo_manejo_clinico_influenza_09_03_10.pdf Acesso em: 11 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saiba como é feita a definição de casos suspeitos e Covid-19 no Brasil. Distrito Federal. 2021 Disponível em: https://www.gov.br/saude/pt-br/coronavirus/artigos/definicao-e-casos-suspeitos. Acesso em: 10 jan. 2022.
NIQUINI, Roberta Pereira et al. SRAG por COVID-19 no Brasil: descrição e comparação de características demográficas e comorbidades com SRAG por influenza e com a população geral. Caderno Saúde Pública (Online). 36(7): e00149420. Brasil. 2020.

Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/Zgn3W4jYm6nZpCNt98K6Sdv/abstract/?lang=pt. Acesso em: 10 jan. 2022.

ARAUJO. Kamila Lelis Rodrigues et al. Fatores associados à Síndrome Respiratória Aguda Grave em uma Região Central do Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 25 (Supl.2):3121-3140,2020. Brasil. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/vyW3LvH4KB38LQq4qvGVpPs/?format=pdf&lang=pt . Acesso em: 10 jan. 2022.

ARAÚJO, Letícia Siqueira et al. Você sabe o que é síndrome respiratória aguda grave? Blog Coronavírus. Belo Horizonte, 23 jul. 2021. Disponível em: https://coronavirus.saude.mg.gov.br/blog/75-o-que-e-sindrome-respiratoria-aguda-grave. Aesso em: 10 jan. 2022.

 

8 de outubro de 2021

Outubro Rosa é convite para a prevenção ao câncer de mama

Entre os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável das Organizações das Nações Unidas (ONU) está a redução de 30% para 16% das mortes…

22 de março de 2021

Testes POC na analítica do futuro: a revolução da medicina diagnóstica

O ano de 2020 trouxe juntamente com os desafios e dificuldades inerentes à pandemia da COVID-19, avanço notável no setor da biotecnologia. O desenvolvimento e…