16 de abril de 2020

Estudos científicos sobre o tratamento da COVID-19 com hidroxicloroquina

Em todo o mundo, cientistas estão testando se os medicamentos utilizados para tratar outras doenças também podem ser eficazes contra o novo coronavírus. Isso porque…

Estudos científicos sobre o tratamento da COVID-19 com hidroxicloroquina

Em todo o mundo, cientistas estão testando se os medicamentos utilizados para tratar outras doenças também podem ser eficazes contra o novo coronavírus. Isso porque o reaproveitamento de medicamentos já estabelecidos é uma estratégia capaz ampliar o recurso terapêutico da COVID-19. Nesse contexto, diversos estudos conduzidos por órgãos governamentais e instituições acadêmicas têm se direcionado ao uso de hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19, droga comumente usada no tratamento de doenças como a malária, lúpus e artrite.

De início é importante ressaltar que ainda não há recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) para a prescrição do medicamento aos pacientes infectados ou como forma de prevenção à contaminação pelo vírus. Confira as principais perguntas e respostas sobre a hidroxicloroquina.

Por isso, a fim de promover a compreensão sobre seus efeitos, a Organização Pan Americana da Saúde (OPAS) produziu um documento com a revisão de literatura e as últimas pesquisas acerca do tratamento da COVID-19 com hidroxicloroquina. A publicação fornece a atualização rápida do estado atual das pesquisas em andamento, considerando estudos in vitro ou in vivo. Além disso, a instituição alerta que, fora das diretrizes e recomendações estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a hidroxicloroquina pode provocar efeitos adversos como doenças graves e morte.

Estudos em andamento

Uma vez que é um antimalárico de custo acessível com perfil de segurança estabelecido, a hidroxicloroquina é pauta de inúmeros estudos em andamento na China. Nesse sentido, o estudo coordenado por Zhan Zhang, médico e pesquisador do Hospital Renmin da Universidade de Wuhan, relatou os resultados da droga em 62 pacientes, divididos em dois grupos. O primeiro grupo recebeu, durante cinco dias, 200mg de hidroxicloroquina, duas vezes ao dia, além do tratamento padrão que consiste em oxigenoterapia, uso de antivirais, antibacterianos e imunoglobulina com ou sem corticosteróides. Os demais monitorados tiveram acesso apenas ao tratamento padrão.

Os dados obtidos revelaram que, após 5 dias de tratamento com hidroxicloroquina, os sintomas dos pacientes com COVID-19 foram significativamente aliviados, manifestando uma redução no tempo de recuperação de tosse e febre. Os pesquisadores também indicaram que uma proporção maior de pacientes com inflamação pulmonar foi parcialmente absorvida no grupo de tratamento com hidroxicloroquina, indicando a modulação imune e propriedades anti-inflamatórias do medicamento.

Também em Wuhan, o epicentro da pandemia na China, outros pesquisadores realizaram uma pesquisa que considerou o tratamento de 199 indivíduos com COVID-19 em estado grave. Do mesmo modo, a pesquisa concluiu que não houve diferença perceptível entre o grupo que tomou o remédio e o que recebeu o tratamento padrão.

Sem respostas conclusivas

Na França um estudo não randomizado, publicado na Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA, testou o uso de hidroxicloroquina, isolado ou combinado com azitromicina, em 36 pacientes com COVID-19. Os testes incluíam a ingestão diária de 600 mg de hidroxicloroquina. Apesar do pequeno grupo amostral, foram demonstrados benefícios do medicamento na eliminação do vírus, especialmente quando associado com a azitromicina.

Outro estudo de uma abordagem relacionada, denominada profilaxia pós-exposição (PEP), começou em Barcelona, na ​​Espanha, no início de março. A ideia por trás desse estudo teve início antes da explosão da epidemia de COVID-19 no país, e busca diminuir seu impacto na população exposta ao vírus. A estratégia envolve o teste descentralizado de COVID-19 e o início imediato do tratamento com hidroxicloroquina em todos os infectados. Assim, os pesquisadores pretendem avaliar a eficácia da estratégia de testar e tratar os pacientes, além da profilaxia com o remédio em todos os contatos.

Estudos para tratamento da COVID-19 com hidroxicloroquinano Brasil 

De acordo com o Ministério da Saúde (MS) um grupo de pesquisa chamado Coalizão COVID-19 Brasil conduzirá as pesquisas sobre o uso de medicamentos no tratamento do coronavírus. A rede é formada por hospitais integrantes do Proadi-SUS como Albert Einstein, HCor, Sírio Libanês, Moinhos de Vento e a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), além da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (Rede BRICNet) e da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Os testes serão realizados em cerca de mil pacientes, em todos os estágios de gravidade. Eles serão divididos em dois grupos, com 400 e 600 pacientes. No primeiro grupo serão alocados os indivíduos com sintomas graves para receberem doses puras do medicamento. Já o segundo será composto por quadros clínicos menos complexos, sendo tratado pela hidroxicloroquina combinada à azitromicina. Após isso, os dados coletados serão submetidos à avaliação da Anvisa.

Diante disso, é coerente mencionar que as medidas atuais de contenção da COVID-19 têm se voltado para o isolamento social e a aplicação dos testes de diagnóstico. Sendo assim, também cabe ressaltar que, segundo a Anvisa, não há estudos conclusivos que comprovem a eficácia desses medicamentos em relação ao novo coronavírus. Todavia, representam uma possível alternativa no tratamento da doença.

 

23 de julho de 2021

7 sintomas de intolerância ao glúten

Para comprar o Autoteste Glúten, clique aqui.   O glúten é um complexo proteico encontrado nos principais cereais, como: trigo, aveia e centeio. Por isso,…

11 de novembro de 2021

Infecções sexualmente transmissíveis são problemas de saúde pública no mundo

Depois do surto de peste bubônica, episódio conhecido como Peste Negra, que matou um a cada três habitantes do continente europeu entre os anos de…